Metodologia

O ranking foi desenvolvido por acadêmicos da Rede Rankintacs, especialistas na área de ensino superior, em parceria com associações e instituições especializadas em educação a distância, recursos humanos e treinamento e desenvolvimento. Com base nas metodologias tradicionais usadas pelos rankings das universidades, o EAD Ranking é baseado em quatro classes de indicadores, cada um representando um aspecto diferente do ensino à distância.

40%

Avaliação de Colegas

Avaliação feita por tutores e coordenadores de cursos.

20%

Impacto no Mercado de Trabalho

Pontuação baseada na popularidade do curso entre empregadores.

20%

Capacidade Tecnológica

Pontuação baseada na efetividade dos recursos tecnológicos disponibilizados pelo curso.

20%

Proporção Tutor / Aluno

Pontuação baseada na quantidade de alunos por tutor em sala de aula.

Avaliação de colegas

A seção de revisão por pares é o indicador mais importante para essa classificação, e é por isso que ela é ponderada com o dobro dos outros indicadores. As informações básicas de triagem foram coletadas juntamente com a nomeação das instituições: região, área de conhecimento, cargo e tempo de experiência. Os entrevistados foram convidados a nomear até cinco cursos que consideram os melhores em suas áreas específicas de conhecimento.
As pontuações finais foram então estabelecidas pela uma normalização log-rank, depois foi aplicada uma pontuação padronizada, o escore-z, dando uma pontuação de 1 a 100 em uma escala contínua.

Impacto no mercado de trabalho

Esse mesmo formato foi usado por profissionais de recursos humanos, nomeando até 5 cursos que eles consideram mais valiosos para candidatos em potencial.

Proporção tutor/aluno

Quem é aluno?

Um estudante é alguém que participa de um curso on-line da instituição, que pode estar em cursos combinados – presencial e a distância. Neste caso, o aluno foi contado de forma fracionária, da mesma forma que as contagens equivalentes a tempo integral (ETC) são feitas (3 alunos semipresenciais = 1 aluno totalmente on-line). O raciocínio é que os materiais on-line às vezes complementam o aprendizado tradicional em sala de aula, e assim, para esses alunos, o feedback on-line e a interação não são a totalidade de seu contato com a equipe acadêmica. Para cursos ministrados inteiramente on-line, a interação com os tutores é uma parte vital do monitoramento e do incentivo ao progresso.

Quem é professor?

Os tutores são os membros da equipe com deveres, não apenas de registrar e entregar conteúdo, mas de avaliar, dar feedback e interagir com os alunos no curso. Portanto, foram convocadores e coordenadores de cursos, não apenas pessoas contribuam com conteúdo e não estão envolvidos na entrega do curso. Os provedores não devem incluir nenhuma equipe administrativa ou pessoal que não esteja envolvido na realização de cursos on-line. Podem ser incluídos assistentes de ensino, desde que eles interajam diretamente com os alunos através de seus portais on-line. A proporção total foi calculada e, em seguida, foi feita a raiz quadrada e o z-score resultando em uma pontuação de 1 a 100 para o indicador.

Custo médio do curso
(por 30 blocos de hora)

Isso, mais uma vez, permitiria que os dados fossem usados para um ponto posterior como um mini-ranking de "melhor curso x orçamento", ou permitir o uso de um modelo de regressão de controle de preço, fornecendo um ranking de "valor pelo dinheiro" baseado no fato de que alguns cursos mais baratos talvez não tenham tanto impacto quanto os mais caros, mas ainda apresentam bom desempenho quando esse fator é removido. Para controlar a duração do curso, os entrevistados serão solicitados a fornecer o custo médio de um bloco de 30 horas, que é a duração padrão atual de um curso de especialização no Brasil.

Avaliação de Capacidade Tecnológica

Os provedores de cursos também foram solicitados a fornecer detalhes sobre a tecnologia disponível para seus alunos. As quatro categorias valem 5% cada. Com pontuações de 1% para cada 20% dos cursos oferecidos com a tecnologia relevante. As informações foram auditadas pela Sherlock Communications. Diiscrepâncias observadas resultaram na devolução das informações ao provedor do curso com uma solicitação de documentação.